quinta-feira, novembro 22, 2007

Into The Wild

Primeiro, vieram as linhas:
Jon Krakauer é americano, alpinista e escritor. Escreveu a deliciosa história, em formato paperback (brochura), sobre a vida de Christopher McCandless e cujo título encabeça este post.

No Brasil, traduziram-na por “Na Natureza Selvagem”. E, é claro, lançaram-na no famoso formato “contemporâneo e oneroso”.

Apenas quero desejar à ti, passante, que tenhas um dia entre tuas mãos um volume assim estimulante. Desejo, também, que tenhas tempo livre de tuas obrigações cotidianas para leitura tão modesta. E, por último, que encontres, em teus mesurados sentimentos, pulsação suficiente ainda para entenderes o que te estou à desejar.


Depois, veio a película:
Sean Penn é um ator magnífico, mas nas filmagens de Into The Wild ele fez as vezes de diretor e roteirista: adaptou o livro para o ecrã e repintou zelosamente as cenas dos acontecimentos.

Só isso. Sem críticas ou spoilers. Apenas o instigante voto indicativo de quem enamorou-se com o movimento que o cinema deu à aventura.

Quem o aceitar, no entanto, terá de esperar. A data para exibição no Brasil será, de acordo com o site, no dia 31 de Dezembro. Não indico releases digitais porque só há um TeleSync de má qualidade atualmente disponível.

Err... digo, porque é pirataria e isso é crime, hein!

Por fim, surgiu o som:
Os eufóricos fãs da Pearl Jam andam gritando aos quatro cantos que Eddie Vedder, o simpático vocalista da banda, lançou seu primeiro trabalho solo. Mas a coleção de 11 faixas, que leva também o rótulo Into The Wild, não é, no sentido fiel da palavra, um trabalho solo. É, na verdade, uma autêntica trilha sonora com participações adequadamente selecionadas.

Ao todo, são aproximadamente 34 minutos de músicas marcadas por vocais bem explorados e, em sua maioria, curtinhas e perfeitamente coerentes com o filme do qual são, de acordo com o ensejo, os acordes de fundo ou a expressão musical.

Quero avisar que livro, filme e coletânea musical são obras quase complementares de uma história verídica. Silencio, porém, sobre seus detalhes.

A faixa que ofereço, adiante, tem a letra assinada pelo músico Jerry Hannan e a versão digital disponibilizada por alguém que não conheço. Escolhi-a porque evidencia o teor do contexto sem revelar os desdobres do argumento. Além disso, é encantadora e só ela já vale um post!




à esquerda, foto tirada de Christopher McCandless
à direita, cena do filme Into The Wild

2 comentários:

Charleaux disse...

Brigado pela visita. Espero poder vê-la por aí. João

Jorge disse...

Valeu pela indicação, o filme ao menos está na lista de espera.