terça-feira, agosto 10, 2010

contraste

não há dois meios de andar,
um pé segue à frente,
o outro precisa esperar.

um passo é uma passada,
pode ser uma despedida.
é pretexto de chegada,
é subterfúgio de partida.

a vida é uma contraditória estrada,
na qual a alma segue dividida:
uma metade avança determinada,
a outra acompanha arrependida.

7 comentários:

Euro Azevêdo disse...

Verdade; mas, às vezes, a gente salta, pula. =)

mentorx3 disse...

Quantos contraste tem a vida, não é.

Elaine Cristina disse...

Obrigada pela visita. Você escreve muito bem! Gostei!

Emerson Cardoso disse...

Se não fosse esses contrastes, talvez tudo seria tão monotono... A vezes gosto de esperar... não muito... as vezes gosto de partir e de receber quem chega... e é na contradição que me encontro.. afinal... para sempre é tanto tempo que eu não saberia o que fazer! Bjão com gostinho do sul...

Pé do André disse...

É bonito este poema.

Emerson Cardoso disse...

Por onde andas... cumpriu-se a sina? É indigitável mesmo o seu novo mundo? Beijo!

Ilária Oliveira disse...

Olá!
Quando tiver um tempinho visita meu blog: http://hilariaoliveira.blogspot.com/

Quem sabe você gosta e vira um(a) seguidor(a)?